Bibliovideoteca Intersaber Livre

Obras intelectuais não são apenas produtos do intelecto, é preciso que elas também produzam intelecto, disseminem conceitos e ideias, fertilizem mentes de modo que novas formas de pensar e imaginar sejam passadas adiante.
(Wu Ming)

Pode-se pensar a Internet analogamente como a representação do universo por Borges, uma Biblioteca de Babel interminável e composta por um número indefinido e talvez infinito de galerias hexagonais, cujo verdadeiro centro é qualquer hexágono. Nossa biblioteca, a que denominamos “Bibliovideoteca Intersaber Livre”, seria então um desses hexágonos que, dentro dessa colmeia sem fim, seleciona e organiza um certo número limitado de assuntos e deseja tornar compreensíveis suas conexões.

A Bibliovideoteca Intersaber Livre é uma biblioteca virtual de materiais disponíveis para download, desenvolvida na plataforma livre Omeka. Ela foi construída para reunir conteúdos de texto, áudio e vídeo, como livros, artigos, teses e dissertações, entrevistas e filmes documentários, que abrangem um rol de assuntos ligados à projetos alternativos de sociedade e que tratem e inspirem mudanças sociais. São conteúdos especialmente circunscritos à uma produção iberoamericana, mas não exclusivamente. Com isso, visa possibilitar intercâmbios de trabalhos com distintas abordagens e enfoques sobre um mesmo assunto, conforme os variados contextos nacionais e culturais ou de grupos de pesquisa. A prática do intercâmbio é uma das linhas de ações do Instituto Intersaber e um de seus importantes princípios como a interdisciplinaridade, a democratização dos conhecimentos e a generosidade intelectual. Encontra-se nesta biblioteca virtual trabalhos que discutem os seguintes assuntos:

AGRICULTURA URBANA:
Práticas de cultivo alimentar no meio urbano são hoje um importante elemento de ativação de práticas comunitárias, regeneração de espaços públicos, educação ambiental, organização de circuitos curtos de produção e consumo, e da cultura do faça você mesmo.

BENS COMUNS:
Bens de uso coletivo como os recursos naturais de um território ou os recursos culturais (saberes, técnicas e linguagens) que hoje incitam o desafio da construção de arranjos de gestão comunitária, diferentes da gestão pública estatal ou privada corporativa.

CIÊNCIA CIDADÃ:
Enquanto campo científico também é chamada de estudos sociais de ciência e tecnologia. Se refere a uma ciência produzida por e para os cidadãos, não restrita à universidades e empresas, organizada em circuitos abertos de produção e compartilhamento. Constituí uma ciência alternativa e por isso envolve os saberes tradicionais, indígenas e outros alternativos.

CULTURA LIVRE:
Alude à possibilidade de que os bens culturais possam livremente circular, ser acessados, adaptados e utilizados conforme diferentes necessidades ou interesses locais e subjetivos. Aponta para uma economia colaborativa e implica diretamente nas formas das políticas culturais e economia da cultura ou criativa.

ECONOMIA COLABORATIVA:
Forma emergente de economia com a proliferação das redes de comunicação e distribuição da inteligência coletiva. Há hoje uma economia colaborativa corporativista que agencia e explora o trabalho precário e uma economia colaborativa cooperativista que se liga à economia solidária.

EDUCAÇÃO EXPANDIDA:
Novas configurações de ensino e aprendizagem que ultrapassam o espaço institucional escolar, com a utilização de redes de comunicação, trocas interculturais, vivências cidadãs nos bairros e o uso de Recursos Educacionais Abertos (REA).

PARTICIPAÇÃO CIDADÃ DIGITAL:
As formas de participação cidadã de interface digital são heterogêneas e permitem novas formas de intervenção e inovação dos cidadãos na esfera pública, mas também abrem novas possibilidades de controle. Envolve as questões de ciberativismo e cultura hacker.

TECNOLOGIAS SOCIAIS:
São as tecnologias alternativas, distintas das tecnologias convencionais produzidas em grandes laboratórios e dedicadas ao mercado e à finalidades militares. As tecnologias sociais são produzidas em circuitos de ciência aberta e cidadã, voltadas ao bem comum social e ecológico.

Todos esses assuntos estão interligados e a ideia é que ao apresentá-los juntos também possibilite um entendimento de conjunto sobre eles.

Diversidade de Pensamentos e Intercâmbios

Ao mostrar as diferentes abordagens sobre estes assuntos em diferentes países, a partir dos contextos específicos existentes em cada um, queremos destacar que saberes e conhecimentos não são homogêneos e tampouco neutros e sublinhar as reciprocidades entre as preocupações teóricas e práticas dos cientistas e agentes sociais e suas condições de existência social.

Diferentes interpretações da realidade e dos fenômenos podem provir de uma multiplicidade de formas e se nutrirem de diferentes fontes. Há o conhecimento da ciência, da arte e da religião, todas elas subdivididas em muitos tipos como são as disciplinas científicas, as linguagens e movimento artísticos, e as crenças religiosas, cada uma com perspectivas e enfoques próprios. Além disso, se considerarmos que os saberes e conhecimentos partem da experiência, enquanto reconstrução mental dos estímulos que recebemos do mundo exterior, então reconhecemos que também são estruturados pelas condições locais, culturais, tecnológicas, de classe, de gênero, de época e mesmo subjetivas de indivíduos únicos que tem uma experiência única no mundo. Tudo isso forma uma pluralidade de camadas de saberes e conhecimentos que podem ser complementares ou antagônicas, que se ajustam reciprocamente, entram em conflitos e disputam hegemonia. Um tal entendimento deve servir para manter um pensamento crítico e ao mesmo tempo uma consciência ampliada da realidade.

Por meio da Bibliovideoteca Intersaber Livre, alguém que tenha interesse ou esteja pesquisando sobre agricultura urbana ou economia colaborativa, por exemplo, pode encontrar o que se produz em diferentes países, sobretudo iberoamericanos, e por diferentes grupos de pesquisa. E, assim, conhecer as várias possibilidades de abordagens e tendências.

Plataforma e Licenças Livres

A biblioteca utiliza a plataforma de código aberto Omeka, destinada ao desenvolvimento de bibliotecas virtuais, que funciona analogamente a um blog, dispõe de uma variedade de interfaces e pode ser facilmente manuseada.

Nossa plataforma utiliza o tema Avantgarde, que foi customizado pelo Instituto Intersaber. Adotamos como licença deste trabalho sobre a plataforma a Peer Production License, um tipo de licença Copyfair em que apenas comunitários, cooperativas e organizações sem-fins lucrativos podem compartilhar e reutilizar, não entidades comerciais com intenção de lucro.

Os materiais disponíveis podem apresentar diferentes licenças abertas. Desde o domínio público, totalmente livre, ou uma variedade de outras como as combinações entre permissões e restrições das licenças Creative Commons, entre tantas licenças existentes.

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *